Dia da Costureira

Dia da Costureira. Quem são as mulheres que fazem a indústria têxtil acontecer.

No Dia da Costureira, falamos sobre essas profissionais que movimentam bilhões de reais, todos os anos, e são responsáveis por transformar ideias e sonhos em peças incríveis, que são objeto de desejo em todo o mundo

Por Meire Tranjan, diretora comercial WebPic

25 de maio foi escolhido para ser o Dia da Costureira, data que homenageia um dos elementos fundamentais da cadeia produtiva da indústria têxtil. Afinal, elas são profissionais que são peça-chave na materialização das peças que vemos nos desfiles, nas vitrines e capas de revistas: as costureiras.

Você certamente deve se lembrar de alguma costureira que fez parte da sua história. Por exemplo sua mãe, sua avó, uma tia querida ou a sua vizinha, quem sabe? Com certeza as costureiras fazem parte da memória afetiva de milhares de pessoas e são personagens importantes para o universo da moda, para a história e para a economia brasileira.

Mulheres dominam o setor

Talvez você já tenha se perguntado: por que a data comemora o dia das costureiras, no feminino – não há homens à frente de máquinas de costura. Com toda certeza existem muitos costureiros por aí, no entanto, segundo dados da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e da Confecção (ABIT), 75% dos profissionais que ocupam funções no segmento de confecção são mulheres.

Dessa forma, cadeia têxtil é a maior geradora de postos de trabalho de mão de obra feminina no Brasil. Além disso, de acordo com a Associação Brasileira de Vestuário (Abravest), o trabalho das costureiras brasileiras movimenta em média R$ 4,5 bilhões por ano.

Linha de frente

Nos últimos meses, diante das necessidades de mudanças de comportamento provocadas pelo Covid-19, muitas costureiras assumiram a linha de frente de uma luta importante. Com máquinas profissionais ou caseiras, milhares de máscaras foram produzidas como um ato de amor e respeito à vida.

Assim também, o uso do acessório tornou-se item de primeira necessidade para os brasileiros saírem de casa. E por isso, a produção das máscaras, além de proteção, também é uma oportunidade de se reinventar e garantir uma nova fonte de renda.

Em contrapartida, muitas costureiras que ficaram paradas em função do fechamento do comércio e da diminuição de circulação das pessoas, retomaram as atividades para produzir máscaras. Aliás, falando nisso, nós publicamos um post sobre como fabricar máscaras e aventais neste período. Se quiser saber mais, veja aqui!

O que elas fazem

Ainda assim, se você ainda carrega a imagem da costureira sentada à frente de uma máquina “pedalando” para produzir suas peças, precisa rever seus conceitos. Afinal, as atividades dessa profissionais talentosas são muitas e indispensáveis para a existência da indústria têxtil. Confira!

  • Costureira de fábrica: é quem opera máquinas na montagem de partes de peças de uma roupa. Portanto, é preciso ser ágil e atenta para executar esta tarefa, que por ser repetitiva, não permite erros e precisa de velocidade para otimizar o produto final.
  • Pilotista: essa costureira é responsável pela montagem das peças piloto, as roupas que serão executadas como provas do molde e depois serão usadas como modelo pelas costureiras da produção e faccionistas. Já vamos falar delas também!
  • Faccionista: normalmente é uma costureira autônoma e presta serviços às oficinas de costuras ou grandes confecções. Ou seja, é detalhista e enxerga todas as particularidades das peças cortadas que recebe para costurar de acordo com peça piloto e a ficha técnica.
  • Costureira sob medida: ela é multitarefa e criativa. Normalmente, atua em ateliês próprios ou em casa, produzindo peças a partir de do pedido do cliente, de um croqui ou foto. Cuida de todo o processo – desde a modelagem, passando pelo corte e costura, até os acabamentos.
  • Artesã: mais que criativas, essas costureiras são artistas! Em resumo, elas reaproveitam retalhos e outros materiais e usam a máquina de costura para criar roupas artesanais, transformando o que tem à sua volta em peças incríveis.
  • Alfaiates: existem poucas mulheres alfaiates, mas são profissionais completas, sofisticadas e responsáveis pela criação e fabricação de ternos e peças avulsas como camisas, blazers, paletós e até gravatas. Tudo sob medida!


Evolução

Ou seja, como você viu, a profissão de costureira evoluiu com o setor e continua fazendo a diferença no dia a dia de milhares de confecções, em todo o Brasil. Por fim, com este post, queremos homenagear todas as costureiras. A elas, nosso reconhecimento e agradecimento neste dia tão especial.

Para saber mais sobre outros profissionais do setor têxtil e as novidades do mercado, acompanhe o blog ou redes sociais da WebPic: Facebook, LinkedIn e Instagram.

Nenhum comentário.

Deixe seu Comentário

Não perca mais nenhum conteúdo!

Cadastre-se em nosso blog e comece a receber conteúdos fresquinhos sobre indústria de confecção em seu e-mail