Como fazer o controle de matéria-prima na indústria de confecção?

Como fazer o controle de matéria-prima na indústria de confecção?

eBook 5 passos para evitar o excesso ou a falta de matéria-primaPowered by Rock Convert
Já aconteceu de, ao realizar a contagem do estoque, você se deparar com uma quantidade enorme de produtos e insumos mesmo quando o seu negócio apresenta alta lucratividade? Hoje, você vai descobrir como o controle de matéria-prima é a solução para esse problema.

Se você não controlar o estoque de entrada, saída e a armazenagem, a sua competitividade cairá e a qualidade da produção ficará comprometida. Isso porque o controle de materiais é responsável por reduzir os custos operacionais, produtivos e de estocagem.

Neste artigo, você vai entender todos os processos de controle em uma indústria de confecção, como eles se relacionam entre si e a melhor maneira de realizá-los. Leia até o fim!

Como realizar o controle de matéria-prima na confecção

Há diversos meios de acompanhar o fluxo de materiais em uma indústria, mas nada é mais seguro do que utilizar um software de confiança. Ele registra todos os detalhes da matéria-prima desde a entrada até o rastreamento e consumo na ordem produtiva.

Esses processos otimizam o tempo de planejamento e cálculo da produção, auxiliam o setor de compras, financeiro e o controle da qualidade. A administração dos insumos e materiais exige muito comprometimento e envolve todos os departamentos de uma empresa. A seguir, você verá as dicas para manter o seu estoque conforme a demanda.

Separe os materiais por classificação

Recorrer a processos simples de organização do estoque é uma medida responsável por grande parte das economias de produção. Se você imagina que, para dar conta de tudo que se encontra nele, precisa realizar um novo inventário, está enganado.

Classificar e etiquetar certos materiais já ajuda a melhorar as projeções de compras e entender um pouco sobre a eficiência produtiva. Por exemplo, os insumos utilizados acima do planejamento evidenciam erros nos processos de confecção, que acarretam desperdício de material.

Além disso, considere realizar as entradas e saídas do estoque por meio de leitores de código de barras. Isso ajuda a manter o controle e agiliza todo o processo, evitando erros e dilatando os prazos de execução de novos inventários.

Vale lembrar que a relação entre o ritmo de produção e a demanda de mercado determinam a eficiência produtiva. Ou seja, lucratividade e qualidade estão atreladas à capacidade de acesso rápido aos itens no estoque.

Negocie com fornecedores

Vale a pena avaliar se trabalhar com um fornecedor único não facilita o controle de matéria-prima. Assim, você tem uma garantia de qualidade, se escolher o parceiro certo, e ainda pode reunir todas as entradas no mesmo dia e horário.

Além disso, você ganha poder de negociação, uma vez que suas compras com esse fornecedor passam a ser mais volumosas. Nem sempre o melhor fornecedor é aquele que oferece os melhores preços. Prazos, entrega pontual, facilidade em eventuais devoluções e margem de negociação também contam muito.

Aproxime-se de seus fornecedores e transforme-os em parceiros. Com o tempo, eles estarão tão acostumados à sua demanda que a entrada de matéria-prima vai se tornar quase uma formalidade. Rigor nos dias e horários facilita muito o controle.

Automatize os processos da indústria de confecção

Outra dica é automatizar os processos repetitivos. Por exemplo, ao dar entrada na nota fiscal eletrônica, o setor financeiro será envolvido sem a necessidade de intervenção humana.

Uma vez que a data do vencimento do boleto consta no documento, ele já entra para o conjunto de contas a pagar do seu financeiro. Imediatamente, o setor examinará a disponibilidade em caixa e programará o pagamento para a data prevista. Viu como fica prático?

Planeje uma demanda contínua

Com a automatização, o gestor acompanha o ticket médio das suas vendas e o giro de estoque para programar as matérias-primas que serão necessárias na fabricação das coleções. Logo, ele terá condições de evitar o desperdício de matérias-primas ou o excesso de produtos de determinadas épocas do ano.

Estabeleça o estoque mínimo

Após entender a demanda da indústria, o gestor informa a quantidade mínima para o sistema avisar ao setor de compras. A isso, damos o nome de estoque mínimo, ou seja, é o mínimo de materiais que a empresa precisa para atender às ordens de produção.

Assim que os materiais chegam à indústria, o setor dá entrada na nota fiscal e é gerada uma etiqueta de controle para rastreamento posterior.

No documento, a quantidade de mercadorias que entrarão para o estoque é informada e, por meio das vendas e entregas de produtos acabados, o gestor determina o estoque mínimo. Quando a reserva atingir o valor, o sistema de compras será acionado.

Realize inventários

Mesmo estabelecendo o mínimo, é necessário realizar balanços de materiais e produtos finalizados. O sistema gera uma lista de insumos utilizados para que eles sejam conferidos. Após a contagem, os números devem bater com a quantidade que consta no sistema.

Infelizmente, nem sempre os resultados coincidem, porque existem outras variáveis que devem ser consideradas: perdas, danos, furtos, avarias, entre outros. Porém, uma coisa é certa: o inventário serve justamente para identificar e corrigir esses problemas sem comprometer os outros processos da indústria.

Tenha um controle de qualidade

Outra dica é realizar o controle de qualidade, que é responsável por tornar os processos mais eficientes e garantir que atendam às necessidades dos clientes. Para tanto, a indústria do vestuário deve buscar as certificações da área e monitorar os dados por meio da ficha técnica.

Entre outras vantagens, o controle de qualidade eficaz permite acompanhar as matérias-primas utilizadas nas confecções que são de origem natural ou química.

Alguns tecidos são produzidos por meio de fonte animal: a lã, a seda, a rami. Enquanto outros são de origem química: a viscose, o acetato, o elastano. Todos eles devem ser fornecidos por empresas aprovadas pelas certificações de qualidade que prezam pela sustentabilidade.

A importância do ERP para o controle de matéria-prima

A sigla ERP designa o Enterprise Resource Planning, ou Planejamento de Recursos da Empresa, um tipo de software de gestão integrada que reúne as mais diversas atividades em uma mesma plataforma.

Assim, apenas para citar algumas funcionalidades dele, temos a administração de pessoal, contas a pagar, contas a receber, faturamento, balanço contábil, fluxo de caixa, ponto dos funcionários e também estoque e matérias-primas.

Se aplicado à indústria de confecção, esse tipo solução pode oferecer ainda o controle de produção interna, facções (isto é, de produção terceirizada), elaboração e conferência das fichas técnicas de produtos, cotação e tabelas de preços, gestão de notas fiscais, controle de pontos de venda e faturamento.

A vantagem do ERP para o controle da matéria-prima consiste no fato de que ele permite avaliar a sua utilização face ao todo da produção, assim como comparativamente a outros dados. Desse modo, a entrada de matéria-prima na produção gera uma expectativa do cumprimento de um processo que, de certa forma, cria um lastro entre as áreas cobertas pela plataforma.

No geral, o controle de matéria-prima é abrangente e envolve todas as áreas bem como contribui para a entrega eficiente ao cliente. Além disso, manter o estoque em dia e confiável garante vendas seguras e constantes. Não é de previsibilidade de receita que você precisa?

Já pensou em implementar o controle de matéria-prima na sua confecção? Faça o teste sem compromisso do nosso software e comprove você mesmo a praticidade e rapidez em todos os seus processos.

Apresentação IndustWeb Sistema para ConfecçãoPowered by Rock Convert
Nenhum comentário.

Deixe seu Comentário

Não perca mais nenhum conteúdo!

Cadastre-se em nosso blog e comece a receber conteúdos fresquinhos sobre indústria de confecção em seu e-mail