indústria têxtil

Como o marketing digital pode mudar o cenário da indústria têxtil durante a crise

eBook Prejuízo com ordens de produção veja o porquêPowered by Rock Convert

Mesmo que o seu negócio ainda não possua um e-commerce é possível usar o marketing digital e suas ferramentas para se aproximar do cliente e aumentar as vendas

Por Paulo Soller, gerente de contas WebPic

Como já era esperado, as mudanças impostas pelo coronavírus impactaram drasticamente o mercado da Indústria Têxtil e o marketing digital, em todo o mundo. Enquanto o setor discute soluções e novos caminhos para seguir em frente, profissionais se movimentam para entender as mudanças que certamente afetarão o comportamento dos consumidores a partir de agora. Especialistas garantem: o cliente está mais digital que nunca!

Assim, para Fernando Pimentel, presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (ABIT), este é um momento de união: “A indústria têxtil brasileira é importantíssima para o país e está entre as cinco maiores do mundo. Durante a pandemia, conseguimos mudar o processo produtivo para atender as necessidades médicas como poucos setores fariam. Nesse momento, toda a cadeia tem que se unir”.

Pesquisa

Como resultado disso tudo, uma pesquisa recente realizada do Instituto de Estudos de Marketing Industrial (IEMI), apontou uma queda média de 13,1% na produção do setor de vestuário, ante 2019. Contudo, os dados do instituto sinalizam que 33% dos entrevistados pretendem comprar mesmo durante a pandemia. Destes:

  • 76% disseram que farão compras pela internet;
  • 58% disseram que estão usando o site da loja;
  • 38% usam o aplicativo da loja;
  • 38% preferem o WhatsApp;
  • 37% utilizam o Instagram para comprar.

Além disso, o instituto perguntou ainda aos consumidores que não pretendem fazer compras de vestuário durante a pandemia, se mudariam de ideia por algum fator novo. Da mesma forma, para 37%, um desconto relevante nos preços poderia levá-los a comprar. Frete grátis foi citado por 26% dos respondentes e prazo curto de entrega por 13% do total.

Novo comportamento

Dessa forma, a pesquisa acima revela o que já imaginávamos: o surgimento de um novo padrão de consumo após a pandemia. Para o vice-presidente da Associação Brasileira de Estilistas (ABEST), Paulo Lourenço Bartholomei, terão mais aceitação aqueles que oferecerem conteúdo. “Marcas com responsabilidade social serão mais aceitas e sairão fortalecidas. De forma geral, os empresários e as marcas terão mais sensibilidade na hora de oferecer produtos aos clientes”, completa.

Igualmente, para Pimentel, presidente da ABIT, este é o momento de fazer escolhas convergentes: “estamos todos vivendo uma percepção de vulnerabilidade, porém poderemos usar a tecnologia para organizar as informações e utilizarmos toda a rede de proteção social que construímos para enfrentar o vírus, com coesão e não com o caos social”.

Assim também, segundo Marcelo Prado, diretor do IEMI, o covid-19 catalisará as mudanças que já estavam em andamento no mercado da indústria têxtil e de moda. “Uma delas, a aceleração no crescimento das vendas on-line. O fechamento do comércio na quarentena acelerou a adoção do comércio pela internet. As empresas que já tinham e-commerce estão se saindo um pouco melhor”, afirma o diretor.

Alternativa online

Em resumo, estar mais próximo do consumidor final já era uma tendência, agora, confirmada com a pandemia e seus reflexos. Portanto, investir em marketing digital é a melhor opção, certo? Contudo, muitos gestores e empresários estão se perguntando: e quem não tem um e-commerce ou um canal de vendas direto com o cliente… O que fazer neste momento?

O primeiro passo é se perguntar: como está o site da sua empresa? Mesmo que não seja um e-commerce, o consumidor precisa identificar com facilidade seus produtos. O site oferece informações completas e um canal para tirar dúvidas? E quanto ao layout – ele reflete o conceito da sua marca e a imagem que você quer transmitir?

E claro, não adianta ter um site incrível se você não consegue obter nenhuma informação sobre o cliente que o acessou. Por isso é tão importante oferecer conteúdo: o visitante não se importará em deixar seu contato se em troca receber materiais ricos como guias de tendências, vídeos, notícias etc.

Relacionamento

Agora que você já tem o contato do cliente, o que fazer com ele? Relacionamento! Em outras palavras, identifique quem é seu público, seus interesses e ofereça mais conteúdos, agora, com foco no que o cliente espera saber. Ou seja, você pode ser a referência e autoridade no assunto para o cliente.

Além disso, com o contato do cliente na mão você pode despertar desejo: que tal contar para o cliente onde ele pode encontrar seu produto com o melhor preço? Se tiver um sistema integrado a lojas virtuais e plataformas de e-commerce, esse trabalho vai ficar ainda mais fácil! Você poderá filtrar as vendas das lojas e saber se sua ação está dando resultado – aliás, o IndustWeb faz isso, clique aqui se quiser saber mais sobre essa funcionalidade!

Ademais, segundo a pesquisa do IEMI, citada acima, 51% dos consumidores entrevistados informaram receber ofertas das lojas pelo celular (por SMS, WhatsApp, Instagram, etc.) após o fechamento das lojas físicas. Eis aí outra dica: por que não oferecer informações de como o consumidor por usar seu produto durante o período de quarentena?

Assim, ao ampliar o relacionamento com o cliente e estar mais próximo, o processo de vendas vai acontecer naturalmente. Aí você pode apresentar seu catálogo de produtos, vouchers e vale-compras, formas de pagamento etc.

Aliás, isso vai permitir, inclusive, que você crie um canal para fazer perguntas e pesquisas diretamente na fonte. Se sentir que vale a pena, aí sim você pode divulgar este formato de vendas e até começar a pensar em investir no e-commerce.

Links patrocinados

Por fim, você poderá usar tanto as redes sociais quando sites de busca para investir em outra estratégia importante de marketing digital: os links patrocinados. Com isso é possível divulgar sua empresa e seus produtos em anúncios criados sob medida para o público que você está buscando.

Sabe aqueles resultados que aparecem em destaque quando você faz uma pesquisa online? Pois é, são links patrocinados.

Em suma: o valor que você investirá vai depender do modelo e da palavra-chave que você escolher para anunciar (veja aqui o que é palavra-chave). Mas você pode começar investindo pouco e deverá escolher entre as opções de anúncio, abaixo:

  • CPC (custo por clique): a cada clique no link, o anunciante paga;
  • CPM (custo por mil impressões): quando o anúncio atinge mil visualizações, ou impressões, o anunciante paga;
  • CPA (custo por ação): só é cobrado quando o usuário realiza alguma ação no site do anunciante;
  • CPV (custo por visualização): para cada pessoa que ver o anúncio, é pago um valor.

Sem dúvida o covid-19 acelerou a transformação digital em muitas empresas, inclusive na indústria têxtil . Dessa forma, se os investimento em marketing digital não estavam previstos no seu planejamento, acredite: este é o momento de rever sua estratégia e focar no futuro.

Continue acompanhando notícias e novidades sobre a indústria da confecção com a WebPic. É só ficar de olho em nosso blog ou redes sociais: Facebook, LinkedIn e Instagram.

Apresentação IndustWeb Sistema para ConfecçãoPowered by Rock Convert
Nenhum comentário.

Deixe seu Comentário

Não perca mais nenhum conteúdo!

Cadastre-se em nosso blog e comece a receber conteúdos fresquinhos sobre indústria de confecção em seu e-mail